terça-feira, 6 de setembro de 2016

QUATRO PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVE FAZER QUANDO OUVIR UM SERMÃO

Você tem o hábito de avaliar aquilo que você tem ouvido na igreja? Ou você é daqueles que acreditam que o ensino do pregador jamais pode ser questionado? Você sabia que em Atos 17.11, Lucas registrou um elogio aos irmãos de Beréia, que demonstraram maior nobreza que os de Tessalônica,  exatamente porque receberam a palavra de Deus com boa disposição de mente, e examinaram nas Escrituras para verem se as coisas eram realmente como expostas pelo Apóstolo Paulo? Não é pecado analisar o sermão enquanto está sendo exposto, contudo há alguns critérios que devemos seguir para sabermos se é a verdade de Deus. Pergunte:

1) É BÍBLICO? O que está sendo exposto está contido no texto lido? O ensino dado pode ser confirmado pelo testemunho das Escrituras do Velho e do Novo Testamento? Está de acordo com os padrões de fé adotados pela Igreja? A Bíblia deve ser nosso padrão, não as experiências e opiniões particulares do pregador. Alguns sermões não passam de um amontoado de histórias engenhosamente contadas com o intuito de emocionar os ouvintes, mas estão longe de ser o que a palavra de Deus de fato ensina para instrução e edificação de seu povo.

2) É CRISTOCÊNTRICO? O que está sendo pregado exalta a Cristo como Senhor da igreja? Aponta para a pessoa, vida e obra daquele que deu sua vida por nós na cruz? O ensino do Antigo Testamento, que infelizmente tem sido desprezado por muitos,  deve ser exposto de forma a demonstrar Cristo como centro das Escrituras e a apontá-lo como redentor e libertador do seu povo, assim como o Novo Testamento. Alguns pregadores tem a capacidade de apagar Cristo mesmo dos textos onde ele está claramente em evidência.

3) É REDENTIVO? O conteúdo do sermão chama os ouvintes ao arrependimento e a uma vida submissa à vontade de Deus? Promove a salvação e o crescimento nela? Sermões de cunho meramente moral ou motivacional estão longe de ser o que Deus deseja para o seu povo ao entregar-nos a revelação escrita e ao enviar-nos seu próprio Filho para padecer e morrer em uma cruz. Certos sermões poderiam ser pregados em reuniões religiosas de convicções diametralmente opostas à fé cristã sem causar estranheza ou constrangimento, e ainda serem louvados por sua beleza e "significado". Não é assim com o texto bíblico. Ele sempre causará desconforto na alma pecadora antes de lhe propor qualquer alívio.

4) PROMOVE A GLÓRIA DE DEUS? A pregação glorifica a Deus tanto no seu conteúdo quanto na forma como é apresentada? Ou há mais promoção do pregador do que do próprio Deus? Na pregação a glória de Deus é que deve ser mais percebida, não as habilidades do pregador. Em algumas situações saímos tão impressionados com o pregador e sua história (testemunho pessoal) que esquecemos por completo o que foi ensinado. O sermão deve colocar Deus e sua obra em evidência. Jamais pode chamar a atenção do ouvinte para a vida e habilidades de comunicação do pregador.

Se você seguir estes critérios, você será capaz de tirar maior proveito do que está sendo pregado e saberá rejeitar aquilo que não procede de Deus. Só não se esqueça de fazer isto na mais profunda atitude de humildade e temor ao Senhor. Que Deus nos abençoe. Soli Deo Gloria.